Pena de Ekodidé

Unidade

Imagens ilustrativas

Ekodidé / Akodidé - Pena Vermelha - Unidade

REF: 717211
R$17,90Preço
  • ÌYÉ ORÒ - AS PENAS SAGRADAS

     
     
    ÌYÉ ORÒ
    Ìkódíde, Agbè, àlùkò e Lékeléke são as quatros penas sagradas de nossa religião, somente sendo utilizadas dentro da ritualística e nunca como um simples adorno. Elementos primordiais e indispensáveis dentro dos Ìgbèrè – Ritos Iniciáticos e de Passagens de qualquer divindade do Panteão Yorùbá. Não existem penas semelhantes, são únicas em suas essências simbologia e significado, ou seja, são insubstituíveis. Dentro do Corpo Literário de Ìfá, são mencionadas nos mais diversos Oba Odù e seus Omo Odù.
     
     
    (Ìkódíde)

    Ìkódíde,Kódíde ou Ìkóóde trata-se de uma pena vermelha, extraída da cauda de um tipo de papagaio africano,conhecido popularmente por papagaio-cinzento, papagaio do Gabão ou papagaio do congo entre o povo Yorùbá. É denominado de Odíde ou Odíderé ,Tornou-se Rei entre todas as aves, símbolo da fecundação, da menstruação, da gestação, representa o nascimento e o símbolo do poder feminino.Representação da realeza, honra e status, esta acima da simbologia do Adé – Coroa. Fixado a frente da cabeça, representa o processo iniciático e confirma os ritos de iniciação.
     
     
    Agbè pena azul extraída da cauda da ave africana. Descritos nos mitos, como o pássaro que carregava a boa sorte e a riqueza para Olóòkun, Divindade dos Oceanos. Para que possa agir tem que ser utilizada em contrapartida com o Àlùkò.
     
     
     Àlùkò pena de cor púrpura (entre escarlate e violeta) extraída das asas da ave africana Turaco. Descritos nos mitos, como o pássaro que carregava a boa sorte e a riqueza para Òlòsà – A Divindade das Águas Doces. Da mesma forma que sua contrapartida, somente age em companhia do Agbè.
     
     
     
     
    (garça) Lékeléke pena de cor branca, extraída da ave  garça-vaqueira ou garça-boieira, nativa da África e do Sul da Europa, que invadiu a América do Norte no início do Século XX e atingiu o Brasil na década de1960. Descritos nos mitos como o pássaro que carregava a boa sorte e a riqueza. Símbolo por excelência de todos os Òrìsà Funfun.

    Um fragmento do Texto Sagrado de Ìfá:

    Agbè ni i gbe're k'Olóòkun, Àlùkò ni i gbe're k'Olòsa, Odíderé-Moba-Odo Omo Agbegbaaje-ka ni naa ni i gbe're k'Oluwoo.
     
     O pássaro Agbè carrega a benção de Olóòkun .O pássaro Àlùkò carrega a benção de Òlòsà. O papagaio do Rio Mogba, descendência de um poderoso exército carrega uma cabaça com a fortuna para o Rei de Iwó.
    Os pássaros Agbè e Àkùkò são agentes intermediários entre o poder da imensidão das águas. Oluwoo é um título do Rei de Iwó a Legendária Cidade, reduto da ave Odíderé.
     
     Ojúure l'Agbè fi í w'aró Agbè won jí t'aró t'aró Ojúure l'Àlùkò fi í w'osùn Àlùkò won jí t'osùn t'osùn Ojúure l'Lékeléke fi í w'efun Lékeléke won jí re pel'efun
     
    O pássaro Agbè desperta com aro. O pássaro Agbè olha com bondade para aro. O pássaro Àlùkò desperta com osùn. O pássaro Àlùkò olha com bondade para osùn O pássaro Lékeléke desperta com efun
    O pássaro Lékeléke olha com bondade para efun.
     
     Agbe ló l’aró, kìí rá’hùn aro Àlùkò ló l’osùn, kìí rá’hùn osùn Lékèélékèé ló l’efun, kìí rá’hùn efun .
    O pássaro Agbè não se lamenta por muito tempo ao aró
    O pássaro Àlùkò não se lamenta por muito tempo ao osùn
    O pássaro Lékèélékèé não se lamenta por muito tempo ao efun.

    Neste fragmento dos Textos Sagrados de Ìfá relata a ligação das aves
    Agbè, Àlùkò e Lékeléke com as pinturas sagradas aró, osùn e efun. Essa expressão “despertar” tem a conotação de “ao amanhecer de cada dia” as aves sagradas carregam em si o poder e a essência de três dos quatros Oba Odù primordiais da existência universal; Ogbè Méjì relacionado com o efun, Òyèkú Méjì e sua relação com o osùn e ligação de Ìwòri Méjì com o aró. O fato de não se “lamentar por muito tempo” está baseado em uma oferenda cujo quais os principais ingredientes são as penas e as pinturas citadas.
    Ojúure lògbólógbòó Odíderé fi í w'Iwó Ìkódíde àse kun be aràiyé.
     O grande e velho papagaio olha com bondade para Iwó. O poder da pena Ìkódíde enche de suplicas os seres deste mundo.
     
    A PENA DO ÌKÓDÍDE
    Existia numa aldeia uma sociedade só de mulheres virgens. Essas mulheres eram compradas por homens de posse só para casar com reis e príncipes, e elas passavam por ensinamento das anciãs. Existia, nesta aldeia, uma mocinha muito pobre e feia. Seu pai vivia muito triste e, um dia,disse:
    - Eu sei que nunca vou achar um comprador para você, Por isso vou te levar eu mesmo para o ensinamento das anciãs. A menina ficou muito  triste, chorou e foi deitar. Então, chegou uma mulher muito bonita à sua cama, com uma cuia tampada na mão, e disse: Olhe, amanhã é dia dos compradores virem. Eles vêm trazendo um príncipe para ele mesmo escolher uma mulher. Tem aqui osùn, waji, obi e Ìkódíde. Você come o obi e o resto passa no corpo. A pena de Ìkódíde você coloca na testa como enfeite. Fique na janela, porém não diga nada a seu pai, pois ele vai para a roça e não deve saber. A mulher entregou-lhe a cuia e a mocinha tornou a pegar no sono. De manhã, deixou o pai sair e fez tudo como a mulher mandou. Atou a pena na testa com uma iko, uma palha da costa. Neste momento, vinha passando uma caravana com o príncipe. Ele olhou para a janela e, vendo a mocinha, ficou encantado.
    -Que coisa linda! Será que é o que estou vendo? Chegou perto da janela:
    -Minha iyaô! Minha noiva! Todos ficaram boquiabertos e ajoelharam-se em frente à janela, admirados com tanta beleza e com a luz que emanava da bela donzela. O pai da menina veio chegando e o príncipe fez a oferta de casamento. Até o pai ficou admirado com tanta beleza. O casamento foi no outro dia e, quando ela foi dormir, sonhou que outra vez chegava junto à sua cama à mulher, que lhe dizia: Olha, eu sou Òsún. Você é minha filha! – e sumiu. E a menina tornou-se princesa.
     
    Asé.

     

    fonte: http://poder-das-ervas.blogspot.com.br/2012/09/iye-oro-as-penas-sagradas.html

© 2026 por Sete Luzes.