FEITICEIRAS E BRUXAS DIVINAS


E mais uma vez a feiticeira da tribo acordou e levantou-se de madrugada de sua tenda mais afastada em ponto mais alto de sua tribo situada no sopé das montanhas. Respeitada, admirada e amada era a mística que orientava a tribo e dava instrução para os plantios em função das fases da lua e épocas do ano. Sabia “ler” as estrelas e guiava a tribo com seus sonhos enigmáticos. Acordava e deitava rodeada de seus ancestrais espíritos guias. Portava a sabedoria da terra e fazia a previsão do tempo através da observação dos animais, das plantas e dos elementais e conversava com os Devas zelosos pela natureza.


Dançava e cantava em volta da fogueira gerando seus estados modificados de consciência. Já usava o parapsiquismo com controle da vontade mesmo na época em que o homem branco “civilizado” e cristão utilizava a expressão “demônio” para as coisas que sua patente ignorância não conhecia, o que se repete até hoje.


Os anciãos da tribo a rodeavam e formavam o conselho que a escutava em primeira mão. Às vezes faziam seus longos rituais complicados a evocarem as egrégoras e os arquétipos de seus animais de cura, poder, sabedoria e espiritualidade.


Mascavam seus vegetais, tomavam seus chás e fumavam suas ervas com respeito e reverência, dentro de um contexto cultural equilibrado, sadio e iniciático. Respeitavam os minerais, os vegetais, os animais, os elementais, os humanos, os espíritos, os Devas e os ancestrais.


A tribo vivia em harmonia e comunhão de fraternal sobrevivência sem preconceitos ou discriminações, afinal a “sociedade civilizada” ainda não os havia contaminado com suas religiões “salvadoras”, sua tecnologia escravizante, sua imoralidade viciada e com suas viroses pestilentas, sejam as físicas e as psíquicas. A tribo dos “selvagens” estava anos-luz acima e a frente dos “civilizados”. Plantavam e colhiam, caçavam com respeito apenas para comer e conviviam em paz. Não poluíam as águas, nem a terra e nem o ar, afinal não eram “civilizados”, mas eram evoluídos.


Muitos anciãos do conselho eram clarividentes e clariaudientes, viam os elementais, os Devas, além dos espíritos amigos além de captarem os sons extrafísicos. Mas a força bruta dos estúpidos “civilizados” os destruíram aos poucos no decorrer da história em todos os continentes da Terra. E dizimados aos poucos e aos montes seguindo o curso natural da evolução reencarnaram entre seus algozes.


Alguns revoltados se tornaram assassinos seriais, franco atiradores atingindo os “inocentes” e “civilizados” homens brancos em novo local, era e corpo. Outros mais evoluídos reencarnaram para serem médicos, psicólogos, terapeutas, psiquiatras, paranormais, escritores, médiuns e projetores para ajudarem ao homem branco a sair de sua “civilidade” tão hostil e ignorante.


Muitas bruxas, feiticeiras e mulheres vem reencarnando no decorrer das eras pela egrégora da Mãe Divina auxiliando os grupos sociais ao derredor do mundo. Muitas com seus sonhos, visões e projeções astrais foram queimadas não apenas pelas fogueiras da ignorância, mas “queimadas” pela ignorância dos egos materialistas e mesquinhos dos homens “civilizados”.


E estas bruxas estão vivas cozinhando seus grandes caldeirões, as poções da expansão de consciência a fim de ministrá-la aos desiludidos, aos homens de olhos tristes e também aos ousados estudiosos e alegres pesquisadores corajosos. As feiticeiras estão fazendo seus rituais para fazer chover consciência na aridez dos egos “evoluídos”.


Os Pajés estão fazendo suas danças e pajelanças para libertar e curar os “evoluídos” dos grilhões da maldição de sua própria vaidade. E no astral superior de vez em quando eles se encontram numa grande reunião cósmica no seio da Mãe Divina. Contam seus casos, suas curas, seus aprendizados. Falam de suas reencarnações e períodos intermissivos. Encontram seus ancestrais e ente queridos ora reencarnados noutras paragens.


Recebem a bênção dos Devas que lhes concedem a graça da cura abrindo seus nádis, chacras e telas etéricas. Brincam de roda com os elementais e de correr com suas crianças extrafísicas. Eles fazem uma fogueira no “céu” se reúnem em volta e se entreolham sorrindo embalados pelo colo da Mãe Divina.


Venha Bruxa, me ajude a queimar as tolices de meu ego na fogueira do discernimento.


Venha Feiticeira, me ensinar o anonimato do amor como a magia que libertará minha consciência.


Venha Pajé, curar minhas doenças psíquicas do apego que impede o abraço da tantas Mães Divinas a nossa volta na crosta e no astral.


Mãe Divina, Rainha do Mar, Deusa da Terra, Princesa do Ar e Mestra do Fogo, controla todos os elementos e as correntes extrafísicas, seus portais e campos geradores de energias.


Feiticeira Mística, Bruxa Cósmica, Índia Estelar, Cabloca Celestial, Mulher Sideral, Tu és nossa Mãe e reverentes pedimos suas bênçãos.


Imploramos que conceda ao homem sair do atraso consciencial da “civilidade humana” e volte aos pequenos grupos em comunhão com a Terra, seus habitantes e elementos.


Dalton – www.consciencial.org – texto anímico-mediúnico escrito com suporte espiritual pela equipe da Mãe Divina.

Posts Em Destaque